Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rabiscos de um Maldisposto

Olá, bem-vindo ao meu blog!

Rabiscos de um Maldisposto

Olá, bem-vindo ao meu blog!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Ter cancro? É para aproveitar agora

por Rabiscos de um Maldisposto, em 17.01.16

Boa tarde! Já descobriram se tinham aquele cancro que tanto desejavam? Não se esqueçam de responder aí nos comentários, pois como sabem, estamos na melhor época para descobrir se temos ou não essa magnifica doença.

Sei até que há quem discorde, mas já repararam bem na quantidade de famosos que morreram nos últimos dias de cancro? E as celebridades que fizeram questão de anunciar que tinham? Já viram bem o dinheiro que circulou nestas últimas semanas? Amigos: é a melhor altura para ter cancro e para anunciarem que têm. Se deixam passar este período, esqueçam, pois daqui a pouco são simplesmente ignorados, e recebem o tratamento e a atenção igual de quando anunciam ao vosso patrão que estão com gripe.

O que está a dar agora é anunciarem através das redes sociais e fazerem um vídeo para o Youtube a raparem o cabelo, com uma boa melodia de fundo acompanhar todo o cenário dramático. Ah! E não se atrevam a colocar cores, pois arriscam-se a arruinar completamente todo o ambiente e o desfecho final. Amigos: tudo a preto e branco, balada com piano, se possível, e deixem a tristeza fluir. A partir daí, é só activar o google AdSense.

Último reparo, e isto só se quiserem: enviem também um email ao Correio da Manhã. O CM geralmente pega nisso e não costuma complicar muito, principalmente quando não têm notícias de mortes suficientes para encherem o jornal ou o telejornal.

Abraço, e vejam se recebem essa bênção nos próximos dias. É que se passam deste período, esqueçam, depois já ninguém quer saber.


E voltamos ao tema da amamentação

por Rabiscos de um Maldisposto, em 16.01.16

Ora deixa cá ver se entendi: há mesmo pessoas a favor da amamentação em público? Ahah! Isto está a ficar bonito está. Agora tudo serve de pretexto para as mulheres, quando acabam de ser mães, se exibirem em público. E começaram logo pelas mamas. A coisa mais fácil.
Estas modernices estão a tornar-se ridículas, amigalhões. Já não há respeito na rua porque quando menos se espera, até se pode encontrar uma mãe com a mama de fora a alimentar o birrento do filho numa estação! Mas pior, só mesmos os espaços privados, que já toleram esta grande palhaçada. Onde é que já se viu noutros tempos, tolerarem sem expulsar de imediato, crianças aos berros só porque estão com fome. Escusado será dizer que o choro de uma criança é verdadeiramente insuportável, quanto mais ver uma mãe com as mamas ao leu a alimentar outro ser. Absolutamente intolerante.
Mas ninguém me tira da cabeça que se trata de puro exibicionismo das mães. Sabemos que quando elas andam prenhas, engordam como loucas e tão cedo não voltam ao normal. E diga-se, são poucas as que voltam, mas até recuperarem o aspecto ideal fazem de tudo para chamar a atenção das outras pessoas.

Amigos lembrem-se: tudo começou com tolerância de amamentar com o uso de um pano a cobrir a cabeça da mini abécula, e agora vejam até onde é que isto já evoluiu. Já achava ridículo uma mãe amamentar uma criança, mesmo com um pano a cobrir do catraio em público, e agora andamos nisto? Isto é mesmo do pior! Absolutamente incrível. Daqui a pouco ignoram qualquer cobertura ao peito e andam pela rua só de cachecol, prontinhas a dar a mama ao puto mal ouvem o primeiro choro!
As mulheres bem andam a conseguir ganhar terreno e ninguém quer saber. Vocês andam todos a dormir e daqui a pouco até quero ver como é que vai ser quando elas do nada, começarem a trocar as fraldas dos pirralhos perante os pais. Claro que daí a nomearem os homens a tarefas domésticas é um tirinho. Mas tudo bem. Depois não digam que ninguém vos avisou.


Metam as mãos às mulheres

por Rabiscos de um Maldisposto, em 15.01.16

Começaram a dar liberdade às mulheres, e adivinhem só? Agora já se queixam de violência doméstica através do Facebook. É com uma enorme tristeza que os tempos modernos estão a estragar tudo. Mas desde quando é que a mulher agora pode sair da cozinha e vejam só, desde quando é que ela se pode queixar das “solhas” que leva do marido, que pratica a tão adorada e popular violência doméstica? Meus amigos: estamos a falar de um costume antigo, praticado desde a existência do ser humano, e que de repente, querem acabar com isto tudo.

A mulher começou a soltar tudo cá para fora. Mas que costumes são estes afinal? A mulher já não pode comer, e calar-se? Qual é a necessidade de ir pedir ajudar ou contar aos vizinhos que o marido a deixou com o olho pisado ou cheia de marcas no corpo? Absolutamente lamentável. "Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher”. É assim ó não é? Amigos: querem alterar isto tudo.

A própria GNR até já faz questão de receber as denúncias através do Facebook! Incrível! Li a notícia que em 2015, ano de estreia desta nova forma de apresentar queixas, registaram 45 denúncias de violência doméstica. Vejam só: quarenta e cinco queixas, que de certeza que eram mulheres, decidiram terminar a sua relação saudável e resolveram apresentar queixa às autoridades através do Facebook. E quanto a isto tenho logo duas questões: o que faz uma mulher à frente de um computador? E como é que teve acesso à Internet?

Ontem, por exemplo, houve outra notícia que poderá deitar por terra um dos melhores partidos de sempre em Portugal. Assunção Cristas anunciou a candidatura a secretária-geral do CDS. Vejam bem isto! Ao ponto a que isto chegou. Pedro Arroja bem avisou: as esganiçadas do Bloco de Esquerda são perigosas. Assunção Cristas, mal teve a oportunidade de imitar Catarina Martins do Bloco de Esquerda fez-se logo ao tacho. Fantástico!


Maldito cancro

por Rabiscos de um Maldisposto, em 14.01.16

A continuar assim, a Palavra do Ano 2016 será sem sombra de dúvidas a palavra cancro e, morrer de cancro, já começou a ser tão normal como morrer de velhice. Concentrar sinergias e ignorar por um período a retaliação ao Estado Islâmico, podia ser um excelente avanço no combate a esta terrível e silenciosa doença miserável. Mudemos o foco, ou distribuamos de melhor forma.


Mas está tudo maluco?

por Rabiscos de um Maldisposto, em 13.01.16

Acabei de ler que os adolescentes europeus com menos de 16 anos poderão vir a precisar de uma autorização dos pais para navegar nas redes sociais. Mas será que está tudo doido? Então mas agora querem controlar o paraíso dos pedófilos? Que raio de brincadeira é esta? Daqui a pouco até querem apagar as fotos e os vídeos que os miúdos publicam seminus com o conhecimento dos pais, é isso? Enfim!

Meus amigos: ainda não houve um número verdadeiramente preocupante de menores abusados sexualmente para começarmos a tomar estas medidas, nem tão pouco se pode aceitar que os miúdos com menos de 16 anos tenham de ter a autorização dos pais para acederem às tão saudáveis e pedagógicas redes sociais! Uma criança com menos de 16 anos é livre praticamente desde que começou a ler. As crianças mal começam a gatinhar já são completamente conscientes dos seus actos, meus amigos! Então mas agora querem pôr os pais a tomar conta dos próprios filhos?

Isto está a ir longe de mais! Daqui a pouco querem que os pais até tenham acesso aos telemóveis dos meninos, e na loucura querem obrigar os pais a irem às reuniões da escola? Mas esta gente é doida? É que só pode.  

Deixem-se de ideias malucas.


Estas merdas irritam-me!

por Rabiscos de um Maldisposto, em 11.01.16

Nunca vou entender os apelos sucessivos para apoiar os músicos portugueses que cantam em português. E então quando surgem após a morte de alguma celebridade internacional, torna-se simplesmente ridículo. Se o objetivo é incentivar os próprios portugueses a ouvir, consumir e apoiar quem toma essa decisão, julgo que a proceder dessa forma só acaba por ter o efeito contrário. E muito honestamente, já chateia.
Não gosto de ouvir constamente alguém a tentar vender-me alguma coisa. Torna-se enfadonho, irritante e ao mesmo tempo desconfortante. Felizmente, a campanha para comprar produtos nacionais já baixou de tom há bastante tempo. E era tão mau. Até parece que alguém ia comprar produtos nacionais pelo dobro do preço, só porque era português.
Falando por mim, e no caso concreto da música - não é porque o músico a,b ou c, canta em português que eu o vou apoiar. Aliás, estou-me a cagar completamente para isso. Quando há qualidade, não é preciso apoio ou apelos de sensibilidade à consciência de cada um. E é isso que chateia. É o facto de se tornar algo obrigatório, algo que fica bem e aquela coisa de ser patriótico a chamar. Não obrigado. Não é dessa forma que me vendem, nem tão pouco me convencem.

A hipócrita – Ela nem sabe exactamente de quem se trata, mas ainda assim sente como ninguém a dor do famoso que acabou de publicar ou anunciar algo de mau. Tem conhecimento que existe milhares de casos semelhantes, alguns até dentro do próprio seio familiar, contudo insiste em tomar as dores da celebridade – pelo menos enquanto seja esse o destaque social.

A irónica – Para esta pessoa, nada melhor do que o tema de destaque para soltar as primeiras piadas. Adora abordar os solidários pela causa ou os indignados, e geralmente consegue tirar o máximo proveito de tudo. As redes sociais tornam-se o seu paraíso nesses períodos, pois pode ser engraçado à vontade sem levar agressões físicas.

A indignada – Este tipo de pessoa não se deixa sensibilizar por pouco e normalmente, em vez de comentar propriamente o assunto, decide indignar-se com tudo que se está a passar: com os indignados e com os solidários. O insulto barato é rapidamente invocado e não perde tempo com a dita palavra “paciência”. Recusa-se a pedir desculpa seja a quem for.

A solidária – Não se importa de partilhar juntamente com todas as imagens de apelos a crianças, animais, entre outros anúncios de solidariedade, os estados da celebridade. Para esta pessoa, tudo serve para mostrar o seu afecto pelos seres vivos, e essencialmente pelas causas em que acredita. Nunca perde uma oportunidade para atacar todos aqueles que rejeitam mostrar-se sensibilizados, pois para estas pessoas, todos temos a missão de ajudar.

A sem rumo – Não sabe exactamente de que lado se há-de colocar. Se por um lado tem imensa consciência do que está a acontecer, por outro tenta abstrair-se do assunto e procura fugir ao tema. Ao contrário dos indignados, esta pessoa não tem propriamente uma causa ou uma razão para se indignar, mas nem por isso toma a acção de ser solidário. Quando geralmente é abordado sobre qual é a sua opinião, diz que não tem feito outra coisa sem ser jogar Candy Crush Saga.

 

Vivemos dias em que é preciso um vídeo, uma imagem ou um texto para nos emocionar. Andamos nas ruas de olhos vendados aos problemas que nos surgem pelo caminho. "Força Sofia, és uma guerreira", vê-se pela Internet e pelas redes sociais as mensagens de apoio à actriz. Nada contra a Sofia, obviamente, mas esta hipocrisia saloia portuguesa, e nomeadamente humana, está a dar cabo de mim.

Nas ruas do anonimato, há rostos de pessoas que mal conseguem sobreviver com os seus rendimentos, quanto mais lutar contra um terrível e silencioso cancro. Nesses casos, raramente surgem vídeos e imagens, e os textos quando aparecem, vêm quase sempre de forma genérica. No fundo a importância é igual a zero. E eles estão aí, nas ruas, no IPO, nos hospitais. De vez em quando, lá surge um caso que consegue romper as barreiras do mediátismo, mas quando normalmente acontece, costuma ser já tarde de mais.

Não tirando, obviamente a importância do problema de Sofia, mas guerreiros há muitos. Há milhares de casos, de verdadeiros guerreiros que lutam contra a doença, contra a discriminação, contra a pobreza e permanecem no anonimato, por onde são vistas pelas mesmas pessoas que enaltecem a atitude de Sofia, comentam o vídeo dela e alimentam todo o mediatismo à volta do seu caso.


Os nossos candidatos a Belém

por Rabiscos de um Maldisposto, em 06.01.16

Tenho visto os vários debates dos candidatos a Presidente da República, e a minha questão é a seguinte: Onde é que anda o polícia da moda? Com tanta gente boa para analisar, o gordo e careca da CMTV, não é menino para fazer um exame aos candidatos?

Bom, antes de mais queria dizer que estou a gostar imenso do sangue na guelra da esganiçada da Marisa Matias. Ninguém pára a mulher. E se ela conseguir o regresso dos piropos, tem claramente o meu voto. Marisa no debate contra Marcelo foi implacável. Marcelo praticamente nem respirou e nem teve tempo de ingerir o seu Calcitrin +. A mulher é de ferro contra os seniores! O Pedro Arroja bem avisou: as esganiçadas do Bloco de Esquerda são tramadas. A malta gozou e tal, mas o resultado está agora à vista, contudo Marcelo tem a malta que vota nos concorrentes das Casas dos Segredos com ele, e por mais que Marisa tente, nunca conseguirá.

Maria de Belém não merece grande destaque, apesar da cara dela transmitir o fantasma do xoninhas do Tó Zé Seguro. Maria de Belém bem tentou dar destaque ao seu currículo, mas não demorou muito até se afundar claramente na lama.

Já Vitorino Silva se tivesse um penteado à Justin Bieber e menos dentes podres, seria de certeza a escolha do povo. Para além disso, teve azar por ter orelhas pequenas, pois se tivesse as orelhas do Luís Filipe Viera, até era capaz de resolver os problemas dos vizinhos. O homem quer ouvir os problema de todos, mas até agora só ouviu os problemas da tasca mais popular de Rans. Acho que Tino devia desistir da ideia de Presidente da República e pensar positivamente na formação de palhaço profissional.

Mas se Tino tem má figura, Jorge Sequeira tem cá um figurão! Quase que aposto o meu miserável salário, que Manuel Luís Goucha até ficou maluco ao ver a colecção de óculos do homem. Sequeira mostra claramente que é um homem viajado, e diz que se for eleito Presidente da República, o primeiro país a visitar será o Japão – o que não é mau, porque finalmente alguém vai dar utilidade aos submarinos.
Mas Sequeira tem cara de meme, e só por isso já merece o meu respeito.

E a carruagem vai passando com estas figuras, enquanto Sampaio da Nóvoa e Marcelo já esfregam as mãos. Nóvoa e Marcelo são claramente os mais fortes neste lote de 10 candidatos apesar de tudo. A exigência também não é assim tanta, pois de certeza que o absentismo vai ganhar novamente nestas eleições, portanto continuo a dizer que merecemos de facto a maioria dos candidatos fracos que temos.


Maria e João - Os nomes mais utilizados em Portugal

por Rabiscos de um Maldisposto, em 05.01.16

Em 2015 foram registados mais de 5000 nomes diferentes para meninos e meninas em Portugal. As Marias continuam muito fortes. Só em 2015, os pais portugueses deram o nome de Maria a 4808 meninas. E ainda há quem pense que o Google facilita a vida aos pais? Ah, ah, ah! Optar pelo nome Maria, do mais simples e prático de sempre e é algo que nunca choca ao ouvido. Um clássico portanto.

Já no caso dos meninos, João volta a ser dos mais utilizados. Aposto que desta também ninguém estava à espera. O nome João foi escolhido por 1932 pais. O nome João, é uma espécie de Maria quando a disposição é escolher um nome que dê para tudo. O problema é quando depois alguém quer dizer o nome João no plural. Será Joões? Será Joães? Ou simplesmente Joãos? A malta fica maluca no momento em que tem de dizer o raio do nome no plural, mas geralmente desvaloriza e diz que qualquer coisa serve.

Segundo os dados do Instituto dos Registos e Notariado, Diego subiu imenso no pódio conseguindo um honrado 26.º lugar. Acho que isto deve-se essencialmente aos portistas que já se esqueceram daquele “flop” chamado Diego que depois seguiu para a Alemanha. Martim ficou em segundo lugar, tudo devido à RTP e ao que canta com o Nilton – “O teu pai tem bigode”. Já no caso das meninas, Leonor já se colou no segundo lugar. Ou seja, em 2016 deve ser um nome a evitar, tal como já aconteceu com o nome Matilde, que finalmente desceu para o terceiro lugar. Já estava fartinho de ouvir pais a gritarem com Matildes em espaços comerciais. Aquela geração Morangos com Açúcar nunca mais deu paz ao raio do nome. Um autêntico fenómeno.

Espero agora ansiosamente pela lista dos nomes mais utilizados em 2016, e espero sinceramente que os Guilhermes, os Gonçalos e os Pachecos continuem bem longe.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mais sobre mim

foto do autor

Posts recentes